Untitled Document


15-04-2017 16:03

Este é o dia que o Senhor fez para nós!

O domingo é o dia da vida e da esperança, dia que o Senhor preparou para nós, nele a morte foi vencida, teve início o surgimento de uma vida nova, de um mundo renovado pelo esplendor da luz que é o próprio Jesus.

O evangelho inicia dizendo que, na madrugada do primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo e saiu correndo para relatar a Pedro que o Senhor lá não se encontrava mais. Pedro e o discípulo amado correram e também foram ver. Eles viram e acreditaram que o Senhor havia ressuscitado.

Como este três personagens, somos também convidados a ir até o túmulo de Jesus e dar-nos conta até onde chegou o nosso Mestre por nós. Ele viveu a experiência que um dia haveremos de fazer. O Senhor, como nos diz o credo, desceu à mansão dos mortos, para anunciar-lhes que a morte foi vencida e que as portas dos céus foram reabertas. Com o primeiro Adão, elas foram fechadas, mas com Cristo, novo Adão, elas, de novo, se abrem.

Queremos ver como Pedro e o discípulo amado viram: para além dos fatos. Reconheceram que o Senhor não foi abandonado pelo Pai, Ele lhe fez justiça ressuscitando-O. Nós, também, vivemos a certeza de que não seremos abandonados. O Senhor bom pastor atravessará conosco o vale escuro da morte e conduzir-nos-á aos verdes prados da eternidade.

Por isso, não vemos num caixão o corpo de uma pessoa que simplesmente terminou de existir, vemos, sim, alguém que parte desta vida para a eternidade junto de Deus. Santa Teresinha do Menino Jesus, às vésperas de sua morte, bem refletia o sentido da esperança cristã ao afirmar: “não morro, entro na vida”.

Queremos caminhar iluminados pela luz que nos vem do sepulcro vazio e pela certeza que o Cristo Ressuscitado nos dá, trazendo Consigo a nossa carne, agora glorificada pela sua ressurreição.

Buscamos já viver como ressuscitados, aspirando às coisas do alto e empenhando-nos, com grande esperança, pelas coisas daqui de baixo. A esperança que nos foi dada por Jesus não é pretexto para deixar de comprometer-se pela transformação do mundo. É, pelo contrário, motivo de força e empenho para fazer desse mundo um antegozo do mundo que Deus prepara para nós.

Por isso é que somos chamados a ser testemunhas, vivendo com alegria e esperança, sem nos deixar abater ou perder o ânimo. Tudo ganha sentido novo com a luz da ressurreição. Dessa luz queremos encher o mundo, sendo reflexos dela com a nossa vida feita dom para os irmãos.

Pe. Pedro Moraes Brito Júnior